25 de junho de 2017

Somos todos uma linda flor


FLORES. Desde que me entendo por gente que adoro flores. Penso que é das obras de arte mais bonitas que a natureza pode ter criado. Tal era a panca que eu tinha com as flores, que a inocente e pequenina Athena, que devia ter uns três anos na altura, queria ser florista. Ahahaha, sim, era a minha profissão de sonho, e mantive isso na cabeça durante muitos anos. Uma das coisas mais engraçadas nas flores são o facto de, apesar de terem todas diferentes formas, tamanhos, cores e feitios, são todas absolutamente lindas. 

E quando me apercebo disso, penso para comigo "seria tão bom se todos tivessem a mesma perspetiva em relação ao ser humano". No entanto, num mundo cheio de cravos, tulipas e girassóis, a sociedade continua a eleger apenas as rosas. Fico contente por cada vez haver mais pessoas dispostas a identificar os diferentes tipos de flores no meio da multidão e a afugentá-las das ervas daninhas, ajudando a mostrar ao mundo a sua verdadeira essência. The whole world is a garden, so let's fill it with flowers.

20 de junho de 2017

Summer Jam


Como definir a música que mais me tem viciado? Tem o espírito do verão, mas um pouco da sua essência faz-me lembrar o inverno. Tem o poder de fazer a nostalgia explodir no ar, como se fosse fogo-de-artifício, e faz-me querer reviver os verões já passados. No entanto, ao mesmo tempo, dá-me motivação suficiente para aproveitar cada minuto deste verão que começou à pouco. Com o seu toque à anos 80, enche-me de alegria e vontade de dançar pela noite adentro. Tenho todo o gosto em apresentar-vos "Endless Summer Nights", de Richard Marx. Escutem, que vale a pena. Viciem-se, que faz-vos sentir melhores.


«And I remember how you loved me
Time was all we had until the day we said goodbye
I remember every moment of those endless summer nights»

19 de junho de 2017

Isto é o que acontece quando me imagino num videoclip


É de noite e estou numa rua vazia. A iluminação é fraca, com tons ligeiramente azulados. Tenho vestido um casaco bege, o famoso trench coat, estilo detetive privado. Caminho com as mãos nos bolsos e começo a rodopiar de forma incessante. Encontro-me num campo de morangos, já no fim de uma tarde ensolarada. Todos os movimentos são efetuados em câmara lenta, as minhas mãos passam ao de leve pelas plantas, e levo alguns morangos à boca muito suavemente enquanto olho para um lago que não estava ali antes. Porque é que agora estou a afogar-me, a ir ao fundo? Os pulmões estão rapidamente a encher-se de água, mas eu tento não afogar os momentos mais doces. Vislumbres do passado escapam de forma veloz, e numa tentativa de recomeçar, vejo-me num autocarro. Acabou de fazer uma paragem numa cidade que ainda desconheço. Só me resta partir à descoberta, em busca de um refúgio que me permita fugir das estranhas figuras que insistem em dançar lado a lado, na tentativa de me levar com elas.

"Mas afinal onde estás?", perguntam vocês.
Estou no metro, com os fones nos ouvidos, rodeada de olhares indiscretos que insistem em relembrar-me de que só faço figuras tristes. Se algum dia virem uma pobre criatura a cantar alto demais de forma desafinada em algum transporte público, não tenham vergonha de se apresentar. ahahaha

18 de junho de 2017

New Layout | Saturn's NYC

Bem, olá olá!! Aqui estou eu, de férias, a derreter devido aos 40 graus da minha terrinha, à sombra da bananeira, a escrever no blogue. Até parece mentira eu estar a escrever aqui ahaha


Fui estúpida (ou não) e esqueci-me por completo do 2º aniversário do Saturn's Mermaid, e lamento imenso por isso. Mas acho que nunca é tarde para celebrar, por isso cá estou eu, a escrever e a saltitar por entre palavras soltas há precisamente 2 anos, 1 mês e 6 dias! Que só por acaso é a mesma quantidade de tempo que vocês me andam a aturar! Tenho imenso a agradecer-vos, e eu sei que poderia ficar um post inteiro a falar sobre o amor que vocês me dão, mas penso que, por agora, é suficiente rematar que gosto imenso de todas vocês e que me fazem sorrir imenso com cada comentário. ❤

Ao longo destes dois anos eu mudei imenso, e o blogue mudou comigo. E como eu sou o ciclo das grandes mudanças em pessoa - além de que o verão é a melhor altura para mudar o que quer que seja - eu decidi, mais uma vez, mudar o layout do blogue. Sim, decidi ser "a básica" e voltar ao estilo clean. Digam olá ao Dunga, o gato que está a dançar ao som da minha playlist (NÃO automática, agradeçam-me mais tarde) que reflete maioritariamente o meu amor pelas bandas clássicas. Bem-vindos/as à NYC de Saturno, local onde habita a minha mente, alma e todas as minhas ideias.

Apreciem a estadia e não se esqueçam de dizer o que acharam do layout nos comentários. I love you all to Saturn and back.

4 de junho de 2017

Guns N' Roses em Algés

Guns N' Roses, Algés, 02/06/2017. Foto da minha autoria.
Hoje acordei sofrendo, devido à típica depressão pós concerto. Aqui a menina Athena foi ver os manos do rock, os Guns N' Roses, a Algés. Já sabia que me iria divertir muito, mas mesmo assim fiquei surpreendida. Posso, como todas as certezas do mundo, afirmar que o dia 2 de junho foi o melhor dia que este meu ano de 2017 já conheceu. Esta experiência foi autêntica, completamente fora de série, e será exagerado dizer "brutal"? ahaha

Soube tão bem ver inúmeras pessoas diferentes, apesar de estarem todas vestidas de forma parecida (com o logótipo da banda). Todas ali reunidas pelo amor que temos aos Guns, num ambiente festivaleiro, juro que não podia ter pedido melhor. Fartei-me de dançar, pular e cantar todas as músicas que tocaram ao longo de TRÊS horas. Senti arrepios na espinha cada vez que havia um solo do Slash, o guitarrista mais espetacular de sempre! Os pontos altos do concerto foram sem dúvida, quando tocaram "Sweet Child O' Mine" e "Welcome to the Jungle".

No entanto, para mim, o momento mais fascinante foi quando um desconhecido britânico me perguntou se eu queria ir para as cavalitas dele para ver melhor o palco. Sem hesitar, aceitar, e apenas consigo descrever esses momentos como sendo algo mágico. Ver um monte de cabecinhas à minha frente, mãos no ar a fazer o símbolo do rock, braços levantados que se moviam ao som de November Rain, o maior hino da banda, foi sem dúvida algo que nunca esquecerei, independentemente da quantidade de concertos a que for. Ficarei eternamente grata a esse desconhecido tão simpático!

A Not In This Lifetime Tour está a dar que falar, pois apesar de já se terem passado mais de 20 anos desde que os Guns se separaram, este regresso mostrou que eles continuam rijos e não desapontaram os fãs, e proporcionaram uma noite que ficará no coração de 60 mil pessoas. 💙

5 de maio de 2017

Marionetas


A noite era fria, mas não tanto como o teu coração. O cigarro parecia acolhedor, mas não tanto como os teus abraços. A bebida era amarga, mas não tanto como as tuas palavras. Os teus olhos eram pretos, mas não tanto como o breu da noite. A noite em que me deixei levar por um pensamento meio suicida conhecido por "viver o momento", ainda que não estivesse a curtir nada. A visão já estava turva, e no meio de um mar de gente, só te via a ti.
No entanto, não estavas lá. Maldito álcool, sempre a usar a nossa mente para brincar às marionetas, entre outros tipos de jogos que nos fazem ligar para uma paixão perdida às três da manhã. Ou às quatro. Ou às cinco.
Já não sei o que é ter a noção do tempo, embora saiba onde é que ele vai acabar por nos levar. Com ou sem cigarros, alucinados ou não. Quando as forças superiores se cansam de brincar às marionetas connosco, deitam-nos fora. Não passamos de brinquedos monótonos, com um prazo de validade, cheios de remendos. No entanto, nunca ninguém se lembrou de tentar remendar o coração partido de uma pobre marioneta.

Texto da minha autoria. Não copiar sem autorização prévia. Escrito a 11/02/2017.